Como fazer um orçamento familiar

Apontar despesas e controlar gastos são as tarefas fundamentais para um bom orçamento familiar. O outro trunfo está na união de esforços entre todos os membros da família. Faça o seu e cumpra as suas metas financeiras.

Publicado em

Se as histórias e fábulas mais famosas começam com “Era uma vez”, a sua história de organização familiar e financeira deve começar sempre com um “Orçamento familiar” que se baseie num mapa de receitas e despesas. No fundo, a imagem dos rendimentos que entram em casa e dos gastos que os reduzem é a melhor forma de analisar a sua situação financeira e de contribuir para as boas práticas na gestão da economia caseira.

São várias as etapas até construir um orçamento familiar que estime todas as receitas e despesas num determinado período, mas cumpri-las é assegurar que está no bom caminho para umas finanças em forma.

Tudo começa no dinheiro que entra em sua casa. Seja através do seu trabalho, de investimentos (rendimentos do capital), pensões por reforma, prestações sociais ou outra qualquer fonte, o seu nível de receitas determinará o que consegue consumir.

Conhecidos os rendimentos é tempo de perceber quais são as necessidades. Por necessidade entenda-se o sentimento de falta para obter algo que não se possui. Certamente não faltarão necessidades durante o seu mês, necessidades que se dividem em fixas (que mantêm o montante ao longo do tempo) e variáveis (que veem o valor variar de mês para mês). Alguns exemplos de necessidades que se traduzem em despesas são a educação, a alimentação, os medicamentos ou o pagamento da casa, seja por via do crédito à habitação seja por uma renda mensal.

Agora que já sabe como catalogar as suas despesas, está na hora de encontrar uma forma fácil e que resulte consigo para apontar todos os gastos, até os mais ínfimos cêntimos que saem da carteira.

Página 1 de 2Seguinte >>

Deixe o seu comentário

{0}